Literatura

O sotaque das goianas deveria ser ilegal, imoral 

Adaptado por Bastião Drummond de Andrade 

“O sotaque das goianas deveria ser ilegal, imoral ou engordar, já que tudo que é bom, tem um desses horríveis efeitos colaterais…como é que o falar lindo e charmoso ficou de fora?

Por que Deus, que sotaque! Goiana devia nascer com uma tarja preta avisando: Ouvi-la faz mal a saúde. Confesso: esse sotaque me desarma. Certa vez, quase propus casamento a uma goiana que me ligou por engano.

Elas tem um ódio mortal das palavras completas, preferem, sabe-se lá por quê, abandoná-las no meio do caminho.

Os não-goianos, ignorantes nas coisas de Goiás, supõem, precipitada e levianamente, que os goianos vivem apenas de uais, trens e sôs….

Goiana não fala que o sujeito é competente, ele é bom de serviço. Nunca usam o famosíssimo tudo bem. Sempre perguntam:

_ ‘Cê ‘tá boa? -Pra mim, isso é pleonasmo, perguntar se uma goiana ‘tá boa é desnecessário.

O verbo mexer, para as goianas tem amplos significados, quer dizer por exemplo, trabalhar. Se lhe perguntarem:

_Com o quê que você mexe? -querem saber o seu ofício.

Goianas não dizem ‘apaixonado por’. Dizem, sabe-se lá por quê:
_Sou doida com ele. -ele, no caso, pode ser você, um carro, um cachorro. Elas vivem apaixonadas “com” alguma coisa.

Também não gostam do verbo conseguir, aqui você nunca consegue nada, você não dá conta.

Que goianas nunca acabam as palavras todo mundo sabe. É um tal de bunitim, fechadim, pititim.

Não caia na besteira de esperar um “vamos” completo de uma goiana, você não ouvirá nunca.

Preciso avisar à língua portuguesa que gosto muito dela, mas prefiro, com todo respeito, a goiana. Aqui certas regras não entram.

O supermercado nunca tá lotado, sempre tá cheio de gente, não faz muitas compras, compra um tanto de coisa. Se, saindo do supermercado, a goianinha vir um mendigo e ficar com pena, suspirará:
_Ai, gente, que dó.

É provável que a essa altura o leitor já esteja apaixonado pelas goianas. Goiano não arruma briga, caça confusão.

Capaz… Se você propõe algo e ela diz:
_Capaz!! -Vocês já ouviram esse “capaz”? É lindo. Quer dizer o quê? Sei lá, quer dizer “Você acha que eu faço isso?” … com algumas toneladas de ironia…

E o “nem”, já ouviu?? Completo ele fica:
_Ahhh nemmmm! – Significa amigo, que a goiana não vai fazer o quê você propôs de jeito nenhum.

Sou, não nego, suspeito. Minha inclinação é para perdoar, com louvor, os deslizes vocabulares das goianas.

Goiana não pergunta, você não vai? A pergunta goianamente falando é:
_’Cê não anima de ir?

O plural, então, é um problema. Um lindo problema, mas um problema. Se você, em conversa, falar “Fui lá comprar umas coisas.” A goiana retrucara:
_ Ques coisa? – O plural dá um pulo, sai das coisas e vai para o quê.

A fórmula goiana é sintética. E diz tudo. Até o ‘tchau’ em Goiás é personalizado. Ninguém diz tchau pura e simplesmente. Aqui se diz:
_Tchau p’ro’cê, tchau p’ro’cês. – É útil deixar claro o destinatário do tchau.

A conjugação dos verbos em Goiás têm lá seus mistérios…. LINDOS mistérios!!!”

Coach300x300
163 Comments

163 comentários

  1. Luciano

    19 de agosto de 2016 at 13:26

    É memo, aqui as coisa é desse tipim..

    • Nanda

      20 de agosto de 2016 at 11:52

      Esqueceram de algumas palavras do tipo “uai” “trem” “coisa” “negócio” “bao de mais” “ce vai” “ce foi” entre outras….. ser Goiana é baum demais sô.

      • Ubirajara

        21 de agosto de 2016 at 09:12

        “Renga” que doido sô.

        • Patricia

          1 de outubro de 2016 at 14:13

          Sou goiana e não conheço “renga” o que venha a ser?

          • Lucileide

            18 de outubro de 2016 at 09:17

            então não é goiana, rsrs brincadeira, “renga” significa aqui no Goiás “nossa!”

          • Amarildo

            13 de março de 2017 at 08:34

            Olá Patricia! Sou um paulista, casado com uma goiana “trem bão” issu né? Dei uma pesquisada sobre essa tal de RENGA e não encontrei a procedência dá palava, porém o significado é coisa velha, estragada, muito usada ou que não serve para nada. De goiana, eu já sabia que não é, pois nunquinha ou meu morsim dize ou mim ensiná essa palavra.

          • Ramón Peres

            13 de março de 2017 at 09:31

            Há anos tenho trabalhando e já esta em faze final o dicionário dos goianos. Renga ou Renfra, significa ren, um ponto final naquilo que esta fazendo. O Geraldinho Nogueira usa esse (ren) no causo do (O Osso) ele diz: “Quandi ele num me levo La pa saroba, que quando chego na porta eu levei essa mão no portal ai eu falei (ren)”.

          • dani

            29 de maio de 2017 at 20:55

            Regionalismo; É um termo usado pelo goiano para demonstrar espanto intenso e admiração por algo feito

      • Lediane

        21 de agosto de 2016 at 11:31

        Mas uai,trem e coisa é típico de mineiro…..

        • Vilmar Lima

          21 de agosto de 2016 at 14:58

          Verdade, além disso, goiano é produto da mistura principal de paulista do interioorr (“cê vai purali, vira às direita, anda um pedacin de istrada de chão de terra, dobra às direita…”) com mineiro – trem, aui, seu(Sr.) e outros adi
          jetivos característicos

        • Cleria

          9 de março de 2017 at 20:43

          Entao Lidiane eu pensei a msm coisa. O vocabulario ai estao todo no dicionario de mineirês.

        • Narjara

          21 de setembro de 2017 at 10:45

          Exato, e existe um texto exatamente igual, onde no lugar de goiana, tem a palavra mineira.

      • Lucia de Fátima de Oliveira Silva

        22 de agosto de 2016 at 00:05

        Os bandeirantes vieram de São Paulo atrás de esmeraldas, então nasceu Goiás; pior de tudo, é vc passando mal, chega no médico, ele te pergunta: a senhora é mineira? Ainda bem que gosto de raça, senão teria um enfarto! Já ouvi dizerem: goiano é resto de mineiro!!! Somos resto de Paulista, se for o caso, uai!!! Vamos processar vcs! Difamação e calúnia : Gera processo por constrangimento!!! KKKKKKKK

        • Maria barboza santos

          22 de agosto de 2016 at 23:18

          Eu sou mimgoia Sam uma mistura de mineiro, Goiânia santos kkkkk

        • Alberto Bittar

          9 de março de 2017 at 16:36

          Na realidade, Goiás tem influência do interior de São Paulo e do Triângulo Mineiro. Como já foi mencionado, através dos Bandeirantes que vieram de São Paulo e de famílias mineiras que para Goiás vieram, o que faz desses três Estados, ou partes deles, com costumes e tradições semelhantes. Muitas vezes os goianos são chamados de “mineiros cansados” (porque de viajem vieram, aqui pararam e aqui ficaram) ou de “mineiros do lado de cá”. Já o sudeste de Minas Gerais, perto do Estado do Rio de Janeiro, tem influência carioca e o norte de Minas Gerais tem influência baiana.

    • Veralucia

      21 de agosto de 2016 at 13:05

      Tipim? Goianas ou Goianos kkkkk

    • Breno Lima

      22 de agosto de 2016 at 10:36

      Uai Moss E isso Aii mermo E nois Goianos….pdc bota Fé

    • Breno Lima

      22 de agosto de 2016 at 10:38

      Uaii Só Nois aqui Gosta Mermo E do Piki….E claro das Muie…Ooo Trem BBom So

      • Paulo

        27 de dezembro de 2016 at 15:16

        Breno é aqui que as muié dos piki tão!!KKKKKKK

        • Eudo

          9 de março de 2017 at 08:06

          Tem também, as de piki tinha…

    • Elizabeth Cruz

      23 de agosto de 2016 at 17:23

      Só esqueceram de dizer q Goias é o Estado das mulheres mais bonitas, né rsrs

      • Vinicius

        9 de março de 2017 at 09:11

        Sem sombra de duvida, as muié daqui é uns trem bão bissurdo.

      • Suely

        9 de março de 2017 at 16:02

        Sim!!! Pq tem muita paulista agora em Goiânia!!!! O pior é o vou ” banhar” e o counzinia..
        Mas …Brasil são diversos países dentro de um mesmo….Você sente uma enorme diferença regional, porém acho essa diversidade grandiosamente benéfica e divertida

  2. Jess

    19 de agosto de 2016 at 16:00

    não me indentifiquei!

    • Nayara

      19 de agosto de 2016 at 20:08

      Nem eu.. Quem vê até pensa, que somos roceiras!! Nada haver!

      • Ginny

        20 de agosto de 2016 at 00:32

        “a ver”
        Haver, dever ser estilo goiano

        • Argemiro

          20 de agosto de 2016 at 11:09

          Por favor, não generalize, pois pode parecer preconceito.

          • Lucca

            21 de agosto de 2016 at 01:02

            Xenofobia

        • Maria

          21 de agosto de 2016 at 10:37

          kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        • Lia

          21 de agosto de 2016 at 16:07

          Kkkkkkkkkk Morri ??

        • Cleria

          9 de março de 2017 at 20:46

          Mitou!! Kkkkk

        • Joema Leite Vieira

          10 de março de 2017 at 22:10

          Kkkkkkkkkk
          Sempre!

      • Rayssa Lemes

        20 de agosto de 2016 at 01:37

        Roceira? Bom, nasci na zona urbana, tenho amplo conhecimento da norma culta e, pasmem, falo quase tudo que foi citado aí e não vejo problema algum. Se isso me faz roceira, então sou roceira com muito orgulho! Aliás, esse termo nem deveria ser pejorativo. Tem trem mais bão que roça? Ariano Suassuna disse que não trocava o seu “oxente” pelo “ok” de ninguém. Da mesma forma, não troco o meu goianês pelos formalismos da língua. A gente se entende muito bem assim, e um viva às “roceiras” e “roceiros” de Goiás e de todo o Brasil ❤

        • Luiz Carlos

          23 de agosto de 2016 at 09:33

          É isso ai Rayssa Lemes, sou goiano e tenho orgulho da minha terra e de pessoas como você, abraços!

        • Graciele

          24 de agosto de 2016 at 12:54

          ????
          Sou goiânia, mas fiz um tour pelo nordeste desde a infância, acabei perdendo esse sotaque que dar saudades!! Goiânia, terra linda, de gente bonita. Amo demais da conta ??

        • Andrea Costa

          24 de agosto de 2016 at 19:24

          Isso mesmo! Assino embaixo.
          Quem será que esse “cara” pensa que ele é? ! Eu não “tenho dó” de ver um mendigo, ao sair de um banco pedindo a sua esmola. Tenho dó é de um pobre coitado como esse do texto em questão. Talvez lhe caberia até um processo mesmo!

        • José Humberto

          9 de março de 2017 at 10:07

          Concordo plenamente com você, e viva nóis kkkk

      • Victor Hugo

        20 de agosto de 2016 at 05:19

        nada a ver*!!

      • Matheus

        20 de agosto de 2016 at 11:10

        Aqui em Brasilia eu e meus colegas acha bonito de mas o sotaque Goiano e Mineiro. Queria ter esses sotaques… hahahah Acho bonito de mas da conta sôh!! Bj procês’

        • Luzia Medeiros Miranda

          20 de agosto de 2016 at 12:23

          Pio neh
          Ele falou direitim o jeito que nós fala.
          Oia eu me senti lisonjeada. Por isso que gosto de conversar com os moços que não são de goiás.
          É bao demais da conta.

      • Fabricio

        3 de setembro de 2016 at 14:33

        Vc queria dizer nada a ver né ?

  3. Ricardo Ramos

    19 de agosto de 2016 at 16:25

    Palhaço.

  4. Patricia Pachêco

    19 de agosto de 2016 at 16:25

    Gostei. Goiâno tem preguiça de falar.
    Goiâno tem idioma, o goianes.
    Né messss?
    Bjim pro cês…

    • Eli

      21 de agosto de 2016 at 09:13

      ????
      Amplo O’ vês demais da conta!!

  5. Gilberto Jacinto de Souza

    19 de agosto de 2016 at 16:41

    Meu caro tudo que escreveste está 99% certo, pois um 1% vc errou. O capaz que fala é o gaúcho(a), o goiano(a), não fala isso. No lugar do Capaz aqui se diz Dou conta não.

    • Aldeni

      19 de agosto de 2016 at 21:36

      Capaz que você esteja errado, porque os goianos de minha convivência incluindo familiares e amigos falam sim o tal do capaz o tempo inteiro. Exemplos : capaz que dá certo , capaz que vai chuver , capaz que desta vez o homi casa. Eles substituem a palavra provável pelo capaz.

      • Patricia

        20 de agosto de 2016 at 17:30

        Concordo, dlu meio s meio(goiana/mineira)falo capaz não sei quantas vezes por dia!

      • genezy

        20 de agosto de 2016 at 20:02

        Bem capaz que tá certo rs

      • Priscila Felix oliveira

        21 de agosto de 2016 at 13:42

        Cartim sou goiana e adoro capaz mi identifiquei sim com o texto e para as que falam que e caipira o texto pode até ser mais elas são a que mais falam capaz oce e outras frases ai fui criada na roça to no último periodo de direito ti digo uma coisa não perco minha identidade por nada desde mundo ser ou não caipira o importante é ser feliz.

    • Gabriel Sampaio

      19 de agosto de 2016 at 23:21

      Fala sim.
      Quando a pessoa pede algo que você não queira fazer, vc responde:
      – Ahhh bem capaz!

    • Jairo

      19 de agosto de 2016 at 23:22

      Tudo errado rapaz. Capaz do cê ser Gaúcho.

      • Debora

        20 de agosto de 2016 at 00:05

        Acho q é bem capaiz mesmo kkkkk

        • danilo

          20 de agosto de 2016 at 16:14

          Bem capaiz mess

    • Manu

      20 de agosto de 2016 at 03:26

      Dou conta nao, e capaz devem ser mesma cousa, e ditas aqui e acolá, cês tao brigando por causa de quê mesmo?

      • Tel

        22 de agosto de 2016 at 14:22

        KKKKKKKKK…
        Gostei.
        Gente, é bão dimais da conta, ser natural pra falar..
        Essa é nossa maneira singular de expressar… E o lindo da comunicação tá nessa diversidade de sotaques e formas de expressão… Parabéns pelo texto!!! Muito bem escrito e criativo… ???

    • Mariana

      20 de agosto de 2016 at 07:57

      Eu falo capaz u.u e sou goiana.
      ” só porque estou indo em caldas é capaz de chover, de tanto que tenho sorte!” …

    • Darcia

      20 de agosto de 2016 at 09:06

      Claro que fala! Capaz é o mesmo que provavelmente… escuto com frequência e falo também.

    • Andrea Carvalho

      20 de agosto de 2016 at 11:19

      E mesmo minha amiga e gaúcha elabdix capaz…

    • Lauana Régis

      21 de agosto de 2016 at 09:40

      Em alguns lugares se usa o ´´capaz´´. Só que no sentido de TALVEZ/PROVAVELMENTE

    • Eliane

      5 de dezembro de 2016 at 09:23

      Os Gaúchos falam capaz, nós goianos falamos “CAPAIZ” simples assim

  6. Soraya Mendonça

    19 de agosto de 2016 at 17:24

    Olá!
    Adorei o texto: ¨O sotaque das goianas deveria ser ilegal, imoral¨ Gostaria de saber quem escreveu.
    Obrigado.
    Soraya Mendonça

    • Fafa

      19 de agosto de 2016 at 21:41

      kkkk..tão sarcástico,que chega a convencer e confundir alguns “inocentes”leitores de que com orações sabiamente colocadas, o autor esta elogiando o sotaque das goianas.Como se a língua portuguesa fosse gramaticalmente bem falada no restante do país.A língua portuguesa na linguagem informal so é gramaticalmente pronunciada para os falantes,amantes que querem realmente usá-la.Agora kkk(risos irônicos) particularizar o sotaque das mulheres de Goiás, soou tão desnecessariamente desrespeitoso,quanto machista,medíocre mesmo querendo justifucar ser “amante”do dialeto “goianes”feminino .A liberdade de expressão gera esses desconfortos naturais,onde um expõe suas opiniões,mas muitas vezes não aceita discordâncias.Sendo assim,os incomodados que não nos ouçam,permaneçam com suas conterrâneas falantes do Português formal ,culto.Bem vindos ,estarão em Goiás, aqueles que mesmo com nosso “Sistema Bruto” de homens e mulheres lindas,poderão se divertir com nosso dialeto “goianes” errado gramaticalmente,mas corretíssimo nas boas maneiras e muito carinho na receptividade daqueles que nos respeitam e gostam de nós como somos e falamos!”Ce entendeu,so?Ou esse trem ficou difiss”??

      • Silva

        20 de agosto de 2016 at 00:16

        Melhor comentário Fafa haha

      • Irene Marli knoner

        20 de agosto de 2016 at 01:26

        Lindo o falar goianes… Apaixonante e pode-se dizer correto, pois todos se entendem. Qto à gramática, isso já é outra história. É mais aplicada em situações formais. E viva o goianes…

      • Laiza Machado

        20 de agosto de 2016 at 07:16

        Disse tudo! Sábias colocações.

      • Joaquim

        20 de agosto de 2016 at 11:34

        Perfeito fafa,exatamente “desse tipim”

      • Najle

        20 de agosto de 2016 at 16:18

        Só eu que achei o mesmo que VC?

      • Viviane

        20 de agosto de 2016 at 18:12

        Adorei esse comentário, mais prefiro pensar que tudo foi um grande elogio, rsrsrs!!! Converso exatamente como ele escreveu, bem goianes e tenho grande orgulho disso…. E tem muito mais… Supitar, bao demais da conta, ….❤️???

      • walquiria

        20 de agosto de 2016 at 18:37

        Ufa…Até que enfim…vejo que não fui apenas eu que senti o sarcasmo de Jabor nesse texto…

      • Rosana

        21 de agosto de 2016 at 13:43

        Muito bom..????

      • Coraci Machado

        21 de agosto de 2016 at 15:13

        nota dez, Fafa

      • Kênia Oliveira

        21 de agosto de 2016 at 18:40

        ??????

      • Núbia Régia

        22 de agosto de 2016 at 11:40

        Concordo plenamente contigo, Fafa. Muito sarcástico.

      • Gleyds

        22 de agosto de 2016 at 12:16

        TOP demais da conta.

      • Lauryenne

        24 de agosto de 2016 at 21:52

        Concordo plenamente!! Sou goiana e quando li o texto tive a mesma sensação! “Educadamente” criticando o sotaque goiano. ?

      • Leilah lemes

        27 de agosto de 2016 at 11:28

        Vc falou tudo ???????? “Sou goiana com muito prazer”

      • Jorge Silva

        9 de março de 2017 at 19:22

        sou tuga (Português) nascido e criado mas ja convivi com gente ke fala o goiano e adorei demais mesmo tanto que ate tentava falar como eles/as sotaque lindo mesmo o som das palavras soava nos meus ouvidos como se fora musica tenho lido esses comentários e confesso se fosse goiano ia ter muito orgulho mesmo podem crer felicidades pra oces

    • libiane

      19 de agosto de 2016 at 23:19

      Soraya, o texto original quem escreveu foi Carlos Drummond de Andrade”O sotaque das mineiras”,
      Aliás gostaria de expressar aqui minha satisfação, pra mim é um presente que ele deixou pra nós mineiras, um sutil elogio ao jeitinho delicado do falar das mineiras, um pouquinho roceiro sim, mas delicadim q só. O poeta é de Itabira, interior de minas prox a BH, este jeitinho que ele descreve é puro do interior mineiro. Qdo vim aq pra Goiás achei sim parecido algumas palavras como uai, sô, trem, a culinária … achei bom aq em Goiás pq tava em casa, somos muito parecidos em algumas coisas, acho q se tivesse ido pro rio ou sp estaria perdida, o q eu ia fazer sem meu pão de queijo feito com queijo curado! afinal mineiros e goianos se jogar na panela e misturar sái galinhada, pamonhada e tutu de feijão, desculpe a sinceridade, mas falo com ciência e experiência de que o jeitinho que Carlos Drummond de Andrade fala, só em minas mesmo.

      • benjamin mendonca de castro

        19 de agosto de 2016 at 23:48

        e assim mesmo, vc escreveu o mesmo que eu penso,,,,,,,……..//////

      • Helena

        20 de agosto de 2016 at 14:56

        Isso mesmo Líbiane, ótimo o seu esclarecimento. Esse texto original foi escrito por Carlos Drummont de Andrade elogiando o sotaque das mineiras. E por sinal muito bom. Também sou mineira e acho o nosso sotaque e culinária bem parecido com os Goianos. Parabéns para o nosso jeitim gostoso de falar?☺

      • Darci

        20 de agosto de 2016 at 18:35

        Adorei seu comentário ; claríssimo. É muito bom ter nosso sotaque comparado ao das mineirinhas ; afinal, somos quase gêmeas, uai!

      • Vagner Cardoso

        21 de agosto de 2016 at 09:20

        Eu sabia que já havia lido algo parecido em outro lugar! E realmente eu identifiquei mineiro em todo texto, mas isso não importa, eu sou filho de baiano eu nasci no interior de SP, perto da divisa com MG e acabem herdando alguns dialetos de vcs mineiros. Tem uma coisa que minha mãe fala que eu acho o máximo “nisturinha”, significa daqui a pouco.

  7. mkprosa

    19 de agosto de 2016 at 19:41

    Ou chegado !!! se que saber se sua muie e feia ?? e saber do tanto que ocê e pobre ? vem pra goias vem !!!! aqui e bagaçera mermo … Ocê fica ai com suas quengas de luxo,e deixa q nós arroxa as muié aqui,afinal e pra quem sabe … aqui o sistema e bruto Fi… kkkkkkkkkkkkk

  8. Cleyton santos

    19 de agosto de 2016 at 21:31

    Concordo completamente com o texto, Sou Goiano do pe rachado e so saco roxo. Mas odeio o sotaque daqui. Uma mistura de mineiro com baiano.
    As pessoas morrem de preguiça de falar realmente. kkkkk

    • Nara

      20 de agosto de 2016 at 06:36

      Descordo totalmente sotaque é uma mistura de baiano, nunca, sou baiana e nada haver. E esse é nosso Brasil culturas, regioes , cada um com sua particularidade…É lindo de se ver tudo isso..

    • Matheus

      20 de agosto de 2016 at 11:12

      Nada a ver com sotaque Baiano! hahahaha

  9. Wanderlei

    19 de agosto de 2016 at 21:44

    O que dizer de um boçal desses, o texto dispensa críticas. ..

  10. Selmita Paiva

    19 de agosto de 2016 at 22:24

    A adaptação foi ilegal no sentido de que é totalmente das mineiras que está falando. O povo goiano não tem sotaque, por isso, facilmente nossos jornalistas são exportados. Quanto ao uso formal da língua nada tem a ver com aquilo que esperava do texto. Infelizmente, a crítica hoje não foi como gosto de fazer, ou seja, elogios. Li alguns comentários e concordei com a maioria que se posicionou desfavorável. Cabe rever a publicação. Literatos e jornalistas não gostarão de tamanha indelicadeza.

  11. Leidiane

    19 de agosto de 2016 at 22:42

    Não é preguiça é nossa língua materna,minha vó falava assim minha mãe também é passou para nós esse sotaque goiano.

  12. libiane

    19 de agosto de 2016 at 22:45

    Na verdade este é um texto adaptado, pq o verdadeiro é um poema do grande Carlos Drummond de Andrade,
    “O sotaque das mineiras” .

    • Raíssa

      20 de agosto de 2016 at 21:03

      Esse texto está idêntico a uma crônica de Braga Neto falando do sotaque das mineiras. APENAS trocou o termo mineira por goiana. Esse texto que é ilegal, imoral, etc.

  13. Gina Camargo

    19 de agosto de 2016 at 23:11

    Baseando no texto, acredito que não nasci em Goiás. Um tanto exagerado este conceito sobre o sotaque goiano. Sou uma goiana bemmmm diferente dessas citadas. Quem teve essa opinião sobre nós precisa passar no mínimo um ano por aqui. Gina

    • Helena

      20 de agosto de 2016 at 15:03

      Olha gente nao precisa discutir e nen se chatear, porque o texto verdadeiro é um poema do grande Carlos Drummond de Andrade,
      “O sotaque das mineiras” . Só fizeram uma adaptação com o “sotaque das goianas ” que é bunitim também ??

  14. luciano teles

    19 de agosto de 2016 at 23:16

    Sinto discordar dos comentários. É assim mesmo. A beleza das goianas lhes dá essa liberdade de assim falar. Digo que o mar bate forte nas praias tentando chegar aqui e banhar a beleza das goianas. O mulherada linda tem nessa terra.

  15. Laisa Arantes

    19 de agosto de 2016 at 23:31

    Cara…. somos bem assim mesmo…hahahaha encantei com vc, um dos poucos que não nos chamou de caipiras… Casa comigo??

  16. Josane

    20 de agosto de 2016 at 00:41

    Sou goiana, e jamais vou mudar meu jeito de falar para agradar alguém, falar desta maneira mostra minha raízes, faz parte me mim, minha cultura…. E é baum de mais da conta…..

  17. Paulo Galdino

    20 de agosto de 2016 at 01:12

    Na verdade o sotaque é uma característica existente em todas os idiomas e regiões, sendo perceptível apenas para quem é de região (às vezes cidades ou países) diferentes. Sou goiano e por força de meu ofício preciso me comunicar com pessoas de todas as regiões do país e às vezes até com estrangeiros e quando falo com alguém que não seja de Goiás, procuro ser o menos regionalista possível e uso a língua portuguesa ofucial, que seria algo muito próximo da linguagem escrita, variando de intensidade de acordo com a percepção do grau de instrução do interlocutor. Infelizmente a grande maioria dos goianos (e goianas), não gosta de ler e isso gera uma limitação no poder de se comunicar com pessoas de regiões diferentes, acentuando essa percepção para quem é de fora.

  18. Fernanda Ferreira

    20 de agosto de 2016 at 02:00

    Sou Goiana e ha 15 anos me mudei de lá! Quando na universidade me esforçei para mudar o sotaque, para deixar de falar errado! Fiz fono e cursos específicos de português. Procurei aprender com outras pessoas e ler mais. Acho lindo quem fala corretamente e essa definitivamente não é uma característica dos goianos! Quando estou em Goiânia, vejo tantas pessoas falando errado! É uma pena! E falar errado É muito diferente de ter sotaque ou de expressões locais!

    • Suely

      4 de novembro de 2016 at 23:01

      Fernanda, fica ativa!!! nóis fala desse jeito é porque nóis qué… não é porque não frequentamos universidade não!!!!!

  19. Deila

    20 de agosto de 2016 at 02:19

    Não pedimos opinião de niguem sobre nosso sotaque.
    Se não gostam, não procuram saber de nada sobre de nois!!!!

  20. Deusdet Martins

    20 de agosto de 2016 at 03:47

    Nós goianas somos tão educadas quanto o senhor, sr. Arnaldo Jabor e é verdade que muitas pessoas, falam como os mineiros pois afinal somos um estado vizinho, mas acho sua crítica ao invés de elogiosa às mulheres goianas, de muito mau gosto, pois nem toda a população tem acesso à educação de primeira qualidade igual à que o senhor teve e é verdade que muitas pessoas não falam o português corretamente, porque não tiveram acesso à escola como o senhor provavelmente teve. Portanto acho suas colocações preconceituosas!

  21. Acerlan

    20 de agosto de 2016 at 06:55

    Olha a ironia sarcástica de jabor, está falando mal do nosso sotaque, tentando camufla, para começar este texto não é dele, e de Carlos Drummond, e não soube nem expressar o nosso sotaque direito, eu amo a diversidade de expressão (sotaque) todo estado tem o seu com umas palavras que não conhecemos, e isto não é só no Brasil e em todo mundo, o sotaque fax parte da humanidade, e o que nus deferência dos lugares.

  22. Raquel

    20 de agosto de 2016 at 07:19

    Primeiramente tenho que discordar com a pessoa que adaptou o texto, os goianos nao existe sotaques, existe pessoas que talvez nao teve a oportunidade de frequentar uma escola , mas com certeza são pessoas humildes , trabalhadoras , e apesar de falar errado , com certeza tem uma coisa que ja vi que você nao tem , mesmo talves ter frequentado uma universidade que é a humildade , caráter e o bom senso. E nao é nem um pouco criativo teve que copiar um texto para publicar , porque com certeza seu português e sua gramática nao e seu forte. E outra aqui em Goiás onde se fala nois vai , nois vem , vc nao faz falta e quando tiver que passar por terras goianas pede licença , pq OCE nao é bem vindo seu miolo de pote

  23. Dariene meireles

    20 de agosto de 2016 at 08:04

    Amei somos assim mesmo, tchau p’ro’cê.

  24. renata

    20 de agosto de 2016 at 08:17

    Dificil ne!!! Morram de inveja de nois… Chega doi encomoda…. E quem garante que seu portugues e correto…. E por urtimo vem pro goias comer piquiiiiii adoroooooooo. Meu Goias e baum dimaisssss kkkkk.rachei o bico…

  25. Roberto

    20 de agosto de 2016 at 08:49

    Tinha que aparecer um para criticar!!!
    Foi bem observado sobre a forma ou maneira delas falarem, só não concordo com o crítico essa intolerância!

  26. Maria das graças e. Pereira

    20 de agosto de 2016 at 08:58

    Não sei porque nomeou os sotaques ao goiano que eu sei esses sotaques de português pela metade é de minas não sei quem diz que é de Goiás.

  27. Maria. Amélia

    20 de agosto de 2016 at 09:32

    Ta certo e o artigo e bom demais da conta

  28. Thay

    20 de agosto de 2016 at 10:03

    Eu super me identifiquei! E, para deixar claro, tenho formação em nível superior, um vocabulário extenso, escrita impecável e a fala, bem a fala pode ser tão impecável quanto a escrita quando a ocasião exige. Entretanto, no dia a dia falo como essa goiana descrita no texto! E com muito orgulho! Assim, como ele acho lindo esse nosso jeitim de falar! E, para quem se sentiu ofendida, digo leia mais um pouco, ele nos fez um lindo elogio!

    • Zandra

      20 de agosto de 2016 at 11:12

      Concordo plenamente com você, Thay! Eu também me senti elogiada. Temos o nosso jeitinho próprio de falar, muito parecido com o mineiro, e um carinho enorme nas expressões. Há meiguice nas palavra e dizeres regionalistas. Transmitem serenidade e paz ao interlocutor. É o que sinto ao conversar com meus conterrâneos.

    • Helena

      20 de agosto de 2016 at 15:15

      Na verdade este é um texto adaptado, pq o verdadeiro é um poema do grande Carlos Drummond de Andrade,
      “O sotaque das mineiras” .

  29. Karen

    20 de agosto de 2016 at 10:24

    Legal. Amo meu Goiás ?❤

  30. Neilton Goncalves

    20 de agosto de 2016 at 10:43

    Vale lembrar que a melhor culinária do brasil é a goiana, sem falar na beleza feminina que é a superior de todo brasil e mundo!

  31. Camila

    20 de agosto de 2016 at 11:29

    Amei o texto, sou goiana e falo desse tipim kkkk

  32. Jussara

    20 de agosto de 2016 at 11:44

    A verdade é que cada canto do Brasil, a sotaques, pessoas que têm acesso à educação e falam bem o português e outras que nem tanto e muitas que falam errado.
    Assim acontece de norte a sul do país, só acho uma ignorância generalizar.

  33. luzia

    20 de agosto de 2016 at 12:02

    Sou goiana com muito orgulho!!!! O falar “errado” é típico da região. Pra entender é só voltar no tempo e ver a história…pessoas simples que adentraram esse Brasil e que foram colonizando lugares muito distantes e ficando distantes também da civilização!!!!! Daí o português foi sendo transmitido de forma errada para gerações futuras e muito disso continua até hj! Como qualquer outro lugar do mundo …Minas e Goiás tem seu “dialeto”, vamos chamar assim!!!! Mas o País como um todo tem suas peculiaridades ou pecados em relação a língua!!! PRA MIM HOJE O QUE MAIS ME INCOMODA, ALIÁS UM TEMA PRA SER ABORDADO NUMA PRÓXIMA VEZ, É A GÍRIA USADA PELOS JOVENS COMO UM TODO…PRINCIPALMENTE SP e RJ…MANO (é de doer), velho, cara, meuuuuuuu e por aí vai… no goianês as pessoas não se distanciam das pessoas pelo falar…como ocorre nas gírias!!!! Mas voltando lá pra GOIÁS …muito desse linguajar já não existe mais, porque com o passar do tempo tudo vai mudando ..engraçado mesmo era como meus avôs e tios avôs falavam…já morreram..e esse jeito de falar já não exite mais…mais um tempo …o tempo vai mudando tudo!!! Tenho saudades daqueles bons tempos que não voltam mais com aquele jeito engraçado de falar!!!

  34. Katy

    20 de agosto de 2016 at 12:13

    Texto ridículo assim como o dono…

  35. Tião do Pitidoge

    20 de agosto de 2016 at 12:19

    6 para de briga uai

    • Amarildo

      13 de março de 2017 at 08:40

      Cêis para de caça confusão uai

  36. Luzia Medeiros Miranda

    20 de agosto de 2016 at 12:28

    Eu tenho orgulho de ser goiana.
    Agradeço a quem admira meu sotaque
    Eu gostei muito do texto. Já conversei com pessoas que acham o sotaque goiano apaixonante.

  37. Rosimar Oliveira

    20 de agosto de 2016 at 12:34

    Não sou Goiana ,não falo o seu sotaque, mas gosto de escrever assim, acho” bunitim mermo” PRINCIPALMENTE quando quero fazer um mimo a alguém que me é especial. ..
    (Meu lindim, meu bichim, cadê ocê? Tô com sodade de tu…é uma doideira escrever assim,mas sou mermo capaz de ser carinhosa desse jeitim.) Sabe-se lá se existe em mim um pouco dessas regiões que muito respeito visse? “Maninho me goste assim, pois como disse ,não falo assim,( mas em ocasiões especiais,carinhosamente sou desse tipim com a graça de Deus e da Virge Nossa!!! Visse minino?

  38. Lidiane

    20 de agosto de 2016 at 13:30

    Amei. Amo sotaques principalmente do Norte e Nordeste, mas nunca reparei o nosso sotaque daqui de Goiás. E Arnaldo descrevendo me vi em todos os termos. Que lindo é essa miscigenação do nosso País.

  39. Helena

    20 de agosto de 2016 at 15:13

    Pessoal Acho que o Jabor fez uma brincadeira com as goianas, porque na verdade ele fez uma adaptação do texto. O texto verdadeiro é um poema do grande Carlos Drummond de Andrade,
    “O sotaque das mineiras” .
    Sou mineira e gostei do texto adaptado, realmente o sotaque e a culinária são muito parecidos. ?☺

  40. Ruitter

    20 de agosto de 2016 at 15:15

    eu só tem um trem pra fala procêis. “PIQUI”

  41. Mayara

    20 de agosto de 2016 at 16:27

    Eu não sei se tá certo mas que eu conheço um conterrâneo meu de longe..ahh eu conheço só pela prosa…kkkk

  42. Inês

    20 de agosto de 2016 at 16:54

    Capaz é ima interjeição típica dos gaúchos, assim como o “bem capaz”!
    Conheço goianos e nunca os vi falando isso!
    Mas bem capaz de a pessoa em questão ser uma goianucha!
    Vai-se saber..

    • cika Parolin

      21 de agosto de 2016 at 18:06

      “Bem Capaz” de serem gaúchos radicados em Goiás !

    • Doni

      22 de agosto de 2016 at 09:57

      nois é goiano sim!! e nois fala errado pro que nois que formado nois é!!!

  43. Patricia

    20 de agosto de 2016 at 17:35

    Sotaque é sotaque, é contagiante…meu esposo é paulista e mora em Goiás desde 1996, adivinha?!

  44. neida becca

    20 de agosto de 2016 at 18:30

    Vi este mesmo texto dirigido às mineirais. Uai! Como sou mineira e moro no Df, que esta no centro de Goiás, kkkkk. Ta de bom tamanho!!!!

  45. ivanir viana

    20 de agosto de 2016 at 18:33

    amo goiania, vcs são demais! bjão .

  46. Rosivaldo

    20 de agosto de 2016 at 20:21

    Nóis fala errado pruquê Nóia que, pruquê instruido nóis é.

  47. Rogerio

    20 de agosto de 2016 at 20:43

    Eita q ceis fala dimais. Dexa ti fala uma coisa, aqui todos falam do jeitim mais bão. Eles acabo di fala as coisa ruiiii. Agora fala as coisa boa…. Kkkkk as muie mais bunita, as festa mais boa. Sem fala q os ceis pode posa aqui in casa quando quise. Vai q aprende alguma coisa. Cê besta até p escreve errado é dificil….kkkkkk bjo pro ceis

  48. Rosângela Divina

    20 de agosto de 2016 at 21:37

    Sô Arnaldo, cê é di onde mesmo? O seu discurso irônico convence àqueles leigos no domínio da Língua Materna, mas não se sustenta e ultrapassa a mera opinião de quem, provavelmente, deve ser de algum lugar nos confins do elitismo pedante.

    A boa Norma, para quaisquer tipos de discursos falados, atende à interação linguística dos falantes. Por outras palavras, para que haja eficácia na comunicação. De tal sorte que a linguagem e não a gramática seja considerada. Esta impõe-nos o formalismo nas situações de comunicação escrita, ao passo que a oralidade é liberta de amarras. Nela, prevalecem o voluntarismo, a graça e a beleza dos sotaques dos goianos, paulistas, mineiros, cariocas, gaúchos, nordestinos. Eta! Esse é bão di mais da conta, sô. Dá gosto de ouvi.

    “Pera aí, sô! Num cabei não. Esta famigerada gramática dos macaqueadores da sintaxe lusitana, como a exaltada por um fulanim, coitadin preconceituosooooo, neste “lindos mistérios” para lá de irônicos, serve apenas para afastar as pessoas, demarcar diferenças de classe social.

    Mais pra quê mesm essi “textículo” serve?

    Ixplicu: este “textim” tão relevante remete-nos para a total incultura do Seu Arnaldo sobre o passado histórico da formação social, cultural e linguística do povo deste Colosso que é o Brasil.

    Mas enquanto oceis pensa mio sobre a intencionalidade discursiva do sinhô Jabor, daqui de Goiânia-Goiás,
    uma goiana, sem ninhum tipu de formação, orgulha-se de SER da TERRA GOIANA, de FALAR como quero e gosto, pois chique e de muito bom gosto é reconhecer o valor enaltecedor de uma das nuances, mais que perfeitas, da Língua Brasileira ( Opa! Portuguesa!): a variação linguística.

    Ô Genti,perdoa eu! Pensanu mió, essi inscritô nun devi sabê qui ixisti uma tar Línguística, né mesmu. Intão, perdoa ele.

    Cruis credu!Deu té um irripi na ispinha! Capaiz dele sê das bandas de além. Lá di longi, diondi u Judas perdeu as butinas… Coitado, sô. Tem dó dele. Ele num istudô direito e perdeu as aula da fessora, naqueli dia que´la insinô pra nois tudo o PRECONCEITO LINGUÍSTICO, du Marcos Bagno.

    Intê pro ceis tudo! Uma goiana deste lado de cá, do Centro Oeste, com muito gosto e muito orgulho.

  49. Flávia

    20 de agosto de 2016 at 22:47

    Pode até ser uma crítica mas que achei bunitim achei

  50. Jenifer

    21 de agosto de 2016 at 01:06

    Então… Esse texto é de Carlos Drumond de Andrade, O sotaque das mineiras. Triste passarem informações erradas…

  51. Júlio

    21 de agosto de 2016 at 10:18

    Ixiii, acerto dimais.

  52. Lucelia

    21 de agosto de 2016 at 11:56

    – É prá caabá o com piqui do Goiás – (expressão de inacreditável)
    – “Arreda” o trem aí – (movimentar algo de algum lugar)
    – Pãnha as roupa do varal ou do arame – (Recolher as roupas do varal)
    – Seu Jacú – (Seu bobo)
    – Lerdou de vez – (Pessoa que está folgada)
    – Breca aí – (Freie de freiar o carro….)
    – Sinaleiro – (Semáforo)
    – Intúia ai – (Empilha)
    – Ribuça – (se cobrir com o cobertor – os mais antigos da roça que fala)
    – Rumou o pau na cobra – (Jogou um pau na cobra)
    – Vende-se laranjinha – (Vende-se Gelinho ou geladinho de suco no saquinho)

    A lista é grande….

    • Lucelia

      21 de agosto de 2016 at 12:21

      *** A lista é grande e muito divertida e claro sem preconceito! Somos Goianos com muito orgulho….ou Somo Goianu com muito orgui!

  53. Bia

    21 de agosto de 2016 at 13:45

    Achei muito bom esse texto!! É desse jeito “mes” em Goiás! Com muito orgulho! As goianas(os) que reclamam não entenderam o espírito do autor. Foi uma homenagem. Vocês ficam aí querendo copiar as gaúchas,cariocas…(nada contra elas!) cada uma tem sua beleza e característica. Quando viajo para outro estado adoro ouvir como meu sotaque se diferencia dos demais daquela cidade! Acho lindo! Brasil é isso gente! #maisrespeitoporfavor

  54. Bia

    21 de agosto de 2016 at 13:52

    O que importa se foi uma paráfrase do texto que trata das mineiras. Interessa que foi uma homenagem a nós, belas goianas! Ahhh neeeem! Povo que gosta de bota defeito nas coisa. Kkk “Mar moço!”

  55. Lalleska

    21 de agosto de 2016 at 14:22

    AMEEEI! Eu todinha! Beijos s2

  56. joaquim

    21 de agosto de 2016 at 21:00

    É desse tipim memo, me identifiquei. Belo texto.

  57. Rodrigo

    21 de agosto de 2016 at 22:48

    Se ser Goiano e ser roceiro sou roceiro com prazer, e ainda digo mais não bebe da nossa água se não quiser ser assim.

  58. Lorena

    21 de agosto de 2016 at 23:13

    Mas gente ??????!!!!! Esse texto não é das mineiras que o carlos drummond escreveu ? Achei que adaptaria a língua padrão de Goiás, não que fosse trocar só os “mineiras””minas” por goianas ou Goiás. Não achei que ficou legal. Não achei que ficou um texto adaptado. Desculpe !

  59. Lucia de Fátima de Oliveira Silva

    22 de agosto de 2016 at 00:34

    Eu amo minha cidade, meu sotaque! Pelo menos aqui ninguém fala como se tivesse com asma!!! Kkkkkk chiando!!!

  60. Lucilene

    22 de agosto de 2016 at 10:27

    O texto é bem legal, gostoso de ler, mas não retrata fielmente a maioria das goianas! Sou goiana. “goianíssima!” Mas, não me identifiquei. Temos um sotaque carregado no ‘r’ é verdade. Algumas palavras que usamos são tipicamente goianas e só quem priva da companhia de goianos sabe entender, mas isso existe em todo estado ou região. A maioria de nós, goianos, fala muito rápido, o que dá ao interlocutor a impressão de não terminarmos a palavra. Mas, se prestarem bem atenção, virão que não é exatamente como descrito no texto. De qualquer forma, como literatura, o texto é bom.

  61. Daniel Diniz

    22 de agosto de 2016 at 11:38

    Não sei o que fazer, e as vezes nem mesmo o que dizer, más, o que que mais sei é viver; e desfrutas das mais belas paisagens que nossas roças oferecem!! Paisagens essas: Arvores lindas, arbustos, flores perfumadas que exalam seu perfume; perfume esse já mais visto envasado em vidros bonitos de diversos tamanhos e modelos expostos em vitrines de perfumarias e lojas de Shopping centers espalhado por esse planeta; tudo isso custando um alto preço! E mais; lindos rios e córregos com águas límpidas e cristalinas que podemos consumir sem risco algum e ainda refrescar o nosso calor sem ser preciso de ir pra um lugar enclausurado cheio de pessoas que nem nos conhecemos; lugar esse onde a água é colocada em um reservatório que é adicionado produtos químicos para que ela fique limpa e só é trocada uma vez por ano, e, ao contrario dos nossos rios onde as águas são límpidas, não tem produtos químicos e o mais legal a água é trocada a cada minuto; isso não tem preço que o pague!! Sabemos nós que tudo isso já foi pago por DEUS!!!

    Pense nisso!! E o piqui com frango, a guereroba feito no fogão caipira que sabemos fazer, nem se fala no pão de queijo; uuummmmm isso já da água na boca!!

    Se isso for ser roceiro quero ser roceiro até morrer!!
    Escrito por: Daniel Diniz!!

  62. Weris

    22 de agosto de 2016 at 16:56

    Quanta besteira.
    Isso não corresponde em nada ao povo goiano.

  63. Nevelson Faleiro

    23 de agosto de 2016 at 08:39

    No Goiás tudo e bisurdo de bao, mais as goianas reeeesga são boa demais da conta……goiano não é minero cansado, nem Paulista fujão….nois é nois, goiano não leva disaforo pra casa…..leva as goiana da mens trabai…… Éeeeeeeeee as goiana….. se oc não tá preparado não mexe cum quem tá queto….cum as goiana mio fazê o sirviço direitin……kkkkkk ou oc tona fama de marmitero…..kkkkk goias é bao dimais….aqui não cabritin aqui c bera…..

  64. Ana Flavia

    23 de agosto de 2016 at 15:19

    İnteligente nos e fala errado por que que?

  65. Alex

    24 de agosto de 2016 at 17:24

    Kkkkkkkkk
    Bonito é o sotaque carioca que fica puxando “s” no final, que tudo pra eles é “caralho, porra, meu irmão, etc.” isso é bonito
    pimentão os paulistas com o tal “dos mano, da fala cantada, nunca sabemos se estão conversando conosco ou estão cantando”

  66. Luzia Anéria Martins Maranhão

    24 de agosto de 2016 at 21:00

    Sou goiana mas vivo no Rio de Janeiro há muitos anos. O falar goiano nada mais é do que uma variação linguística do português. Assim como tantas outras variações existentes no Brasil. Todas as línguas do mundo têm suas variações. Vi nesse texto uma crítica ao nosso modo de falar, ridicularizando-nos. Assimilei, em algumas palavras, o chiado carioca… Infelizmente!
    Porém, quando visito minha terra em três dias estou falando goianês, de novo. Nosso sotaque tem mais musicalidade e gosto disso…

  67. Geisiana Campos

    27 de agosto de 2016 at 18:54

    Sinceramente, eu sou goiana – goiana com orgulho do interior. O sotaque que presenciei a minha vida toda é o caso de puxar o “R”, e sim, eu tenho um sotaque *forrrte*, eu puxo o “R” e qualquer metido a besta me chamaria de caipira por isso, todavia, não falamos errado por aqui. Não temos preguiça de falar, preguiça de escrever ou de completar uma frase ou palavra. Há pessoas que falam errado em Goiás, assim como em Minas, Mato Grosso, São Paulo, Rio de Janeiro e até no Sul. Mas estas pessoas que falam errado tanto em Goias como em outros estados, geralmente são as pessoas de renda mais baixa que não tiveram muito acesso a educação. Por favor, deixem de lado essa imagem que goiano é tudo caipira e roceiro – só porque há muitas fazendas por aqui! Nós apenas temos um belo sotaque, que nada tem haver com falar errado, ser preguiçoso e sem inteligencia. Obrigado.

  68. Marina

    10 de setembro de 2016 at 16:34

    Sou de Goiânia, acabei de perceber que falo tudo isso e mais alguma coisa sem notar , podemos mudar ou tá bom assim.

    • Amarildo

      13 de março de 2017 at 08:53

      Esse jeito de falar, foi o que fez me apaixonar pelo povo goiano. Tanto que me casei com uma goiana!

  69. Joao

    23 de outubro de 2016 at 15:44

    Isso serve para as mineiras também… Aqui é também é assim! 😉

  70. Carlos

    9 de março de 2017 at 23:15

    Definição de Língua ,existe 3 a mais recente e valorizada, é como uma forma de interação (isso segundo as regras da língua portuguesa, se duvidarem, podem pesquisar as definições aí no google) no qual o obejtivo é só do emissor(quem fala), transmitir uma mensagem ao receptor(quem deve entender), se houve entendimento, não está errado,ou seja, qualquer brasileiro que fale português um com o outro, está correto independente da variação que ocorreu, quem erra é só gringo, que não possuem a mesma base gramatical(não conseguem montar as frases), A GENTE, TÁ TUDO CERTO, BURRO É ESSE POVO QUE ACHA, QUE NOIS TAMO ERRADO.

  71. Juliana

    10 de março de 2017 at 07:08

    Mineiros falam desse mesmo jeitim!

    • LúciaMoreira

      12 de março de 2017 at 21:34

      Vc deveria ter vergonha do que escreveu sobre sotaques dos goianos
      Deveria ter olhado primeiro para os seus ,do que procurar defeitos nos outros.
      Vc ainda n aprendeu que boca fechada não entra mosquito?
      Quem é Vc? Algum PHD na língua portugues?
      Lenbra -se que muitos paulistas,cariocas,mineiros,vem para Goiás para ganhar a vida e se dão muito bem !
      Por favor não fale mal dos goianos,aqui só tem gente bonita(mulheres mais lindas do Brasil) e inteligentes
      Outra coisa.A faculdade de medicina federal foi considerada pesquisa pela Inglaterra a das melhores do mundo…!

  72. Dulce Normandia Arnoud

    10 de março de 2017 at 13:15

    Estes dialetos são mineiros, alguma coisa o goiano diz. Sou mineira e tenho parentes goianos, a cultura é bem parecida mas, isto ai, é 90% mineiro. Porque a maneira de falar tem que ser de acordo com o meio e mesmo tendo um conhecimento correto do português é bom não esnobar, porque para eles falar diferente é sinal de prepotência. E a humildade é refletida na simplicidade a começar pelas palavras e seus dialetos respeitados e mantidos. Uai lá é assim mesmo sô. Um aconchego só….

  73. Gil

    14 de março de 2017 at 00:19

    Concerteza caro escritor vc levou um belo fora .. sabe o q significa fora p goianos ?? Não te quero .. e c isso vc deve ter notado ou conversado c alguém q migrou para estado de Goiás , assim como vc .Esqueceu de um detalhe q conversar hje e o que vc entende e não andar c a gramática na língua lconversamos de acordo c nossos ouvintes ..

  74. Janaina

    21 de agosto de 2017 at 15:15

    Esse texto, na verdade se chama O Sotaque das Mineiras, e é do Felipe Peixoto Braga Netto.

Faça seu comentário

Mais lidas do Mês

To Top
%d blogueiros gostam disto: