Crônica: Caro taxista de Goiânia - ENQUANTO ISSO EM GOIÁS
Home / Literatura / Crônica: Caro taxista de Goiânia

Crônica: Caro taxista de Goiânia

uber

Caro taxista de Goiânia,

lembra aquele dia em que eu quis fazer uma corrida do Alabama ao Piquiras (menos de 300 metros) no Marista e você disse que o mínimo para corrida perto custaria 10 reais? E quando você não tinha troco e ficou com o meu?

Lembra quando eu quis fazer uma corrida curta do aeroporto ou da rodoviária e você disse “ahhh pega o próximo” e fiquei sem como me locomover? Justamente para você não perder o lugar na fila.

Lembra quando eu pedi para você ligar o ar porque os termômetros marcavam mais de 40ºC na capital e você inventou que estava com defeito ou que tinha acabado o gás? Fora quando você culpava o dono da permissão pelo carro estar sujo e com a suspensão parecendo uma escola de samba.

Lembra quando eu pedi para você colocar na minha rádio predileta e vc se recusou dizendo que o carro era seu ou que a antena estava estragada? Quando liguei na rádio táxi e demorou mais de 1h para me buscar, quando a atendente me prometeu 15 minutos?

Está lembrado quando destratou com pré-conceitos e truculência alguns amigos que saíam de uma boate reconhecidamente GLS e os tratava com indiferença e despreparo?

Lembra aquele dia que saí do mega evento sertanejo ou daquele festival que era na BR ou em alguma rodovia e você cobrou 40 reais por cabeça mesmo que se andássemos poucos quilômetros eu e meus três amigos? Não se esqueça que se recusou de ligar o taxímetro tá!?

Então amigão, cada vez que qualquer um de vocês fizeram esse tipo de coisas vocês estavam dando de presente um cliente pro Uber. Entendo que estejam revoltados e exigem legalidade, mas essa legalidade não foi utilizada nem por muitos de vocês que utilizam taxímetro adulterados e essas famosas tijoladas.

Entendo a revolta de vocês, eu também estaria revoltado se por anos eu tivesse oferecido um serviço ruim e apenas da forma que eu queria e que do nada eu me visse obrigado a repensar em tudo isso.

Bem, o Uber pensou e solucionou o problema de uma população que estava sedenta por qualidade. O Uber tem placa cinza, mas também tem seguro de 50 mil por passageiro e antes que eu me esqueça, não tenho medo de andar com motoristas super honestos e educados somente pelo fato do carro estar descaracterizado.

E o principal, o Uber não escolhe passageiro, não escolhe destino, nos oferece estimativa de preço e melhor, você tem a chance de avaliar o motorista. E lembre-se, não me importo de pagar 2x ou 3x mais o valor da corrida no Uber.

Posso dizer que o Uber atende quem o taxista não queria atender e por quem hoje vocês estão protestando para reconquistar na marra e não com qualidade.

Autor: BrunoBagetti

Enquanto isso...

Goiânia Shopping torna-se o primeiro shopping pet friendly da cidade

​ O Goiânia Shopping ​tornou-se o primeiro shopping realmente pet friendly da cidade. Ou seja, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *