16/08/2022 às 22h24min - Atualizada em 16/08/2022 às 22h24min

Conheça os planos de governo dos candidatos ao Palácio das Esmeraldas

Propostas foram registradas no TSE

Bruno Hermano
A Redação

Os planos de governo dos candidatos mais bem colocados nas pesquisas eleitorais em Goiás têm como principal foco a gestão pública.

Dos nove nomes que pediram registro de candidatura ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), oito cadastraram suas propostas no sistema de divulgação de contas eleitorais e candidaturas da Justiça Eleitoral. Somente o candidato Vitor Hugo (PL) ainda não divulgou seu plano.

 
Outros pontos abordados com maior frequência por todos os candidatos são propostas que têm como objetivo o desenvolvimento econômico do Estado, geração de emprego e renda e que possam contribuir com a melhoria da qualidade de vida dos goianos.

Os documentos contendo as propostas podem ser acessados clicando aqui. 

Conheça o plano de governo de cada candidato:
 
Cíntia Dias (PSOL) 
O plano de governo da candidata Cíntia Dias (PSOL) tem como título "Nós somos a esperança". O texto é focado em princípios defendidos pelo partido, e a chapa de candidaturas é apresentada como uma forma de contribuir para a "constituição da expressão política e organizativa das classes trabalhadoras de Goiás". "Reconhecemos que estão juntos nessa expressão política os movimentos sociais da cidade e do campo, as organizações sindicais, a militância social no combate às opressões e às desigualdades materiais, bem como os partidos políticos que se vinculam organicamente aos interesses das massas exploradas e oprimidas do nosso Estado". O plano traz, ainda, que o foco das propostas visa o combate ao fascismo, à fome e a desigualdade.
 
 
Edigar Diniz (NOVO) 
O plano de Edigar Diniz  foca principalmente na gestão pública e na competitividade do Estado de Goiás. "A estagnação de Goiás é um alerta para os goianos. Ao contrário do que propaganda política e estatal nos faz acreditar, as coisas não estão bem. Goiás tem potencial e vocação para ser um dos Estados mais competitivos do Brasil, mas essa competitividade só se tornará realidade com uma nova forma de gestão pública", diz o plano. O partido destaca, ainda, temas como gestão transparente e que, como exemplo 
para os demais servidores públicos, "o governador não irá morar em palácios, não utilizará jato (avião) bancado pelo orçamento do Estado para fins pessoais e renunciará aos privilégios indevidos do cargo". O documento aborda princípios de honestidade, destacando o estatuto do partido: "é o único que exige que os postulantes, a quaisquer cargos públicos, passem por um processo seletivo e que exige ficha limpa até para seus filiados". 

 
Gustavo Mendanha (PATRIOTA)  
A candidatura de Gustavo Mendanha apresenta um conjunto de princípios e propostas com foco no desenvolvimento econômico e na gestão. "Entendo que nosso desafio é fazer Goiás voltar a crescer, trazer comida de volta para o prato dos milhares de goianos que foram prejudicados pelos efeitos da pandemia e, principalmente, trabalhar para construir um Estado verdadeiramente inteligente, que cumpre o seu papel com eficiência, agilidade, fazendo com que o volume de recursos investidos tenham sempre como foco principal melhorar a vida das pessoas".  O plano propõe uma "plataforma de gestão inteligente" dividida em 5 eixos: desenvolver com sustentabilidade e tecnologia; formar e capacitar com os olhos no futuro; cuidar das pessoas; proteger os goianos; amparar e fortalecer.

 
Professora Helga (PCB) 
O título do plano de governo da Professora Helga é "Poder Popular Goiano: Goiás para os Trabalhadores". Em sua proposta, "reivindica a inversão da base do poder político atualmente sequestrado por grandes grupos empresariais" "Preconizamos a construção e fortalecimento do poder popular com expressiva reformulação do sistema político, qualificando as classes trabalhadoras como verdadeiros sujeitos do Poder Político". O documento, de 52 páginas, traz ainda propostas para educação, saúde, meio ambiente, gestão pública, esporte e lazer, cultura, segurança pública e diversidade.

 
Professor Pantaleão (UP)
Em documento de 20 páginas, o plano de governo do Professor Pantaleão afirma que "o Estado e sua gerência devem pertencer àqueles que realmente o constroem: os de baixo, a classe que trabalha, que produz, mas que, infelizmente, é privada da sua plena capacidade de decidir sobre o seu próprio futuro." Além de trazer propostas para as diversas áreas da administração, como emprego e renda, desenvolvimento agrário, infraestrutura, educação, cultura, segurança pública, direitos humanos, saúde e PCDs, o plano defende o poder popular e "o exercício diário da vida política dos trabalhadores em seus locais de trabalho, estudo e moradia". 
Plano de Governo 


 
Ronaldo Caiado (UB)
O plano de governo registrado no TSE pelo governador e candidato à reeleição Ronaldo Caiado apresenta um rápido balanço de realizações da atual gestão, com foco no ajuste fiscal realizado. "Da 26ª pior situação fiscal, fizemos de Goiás o terceiro melhor Estado". O primeiro item do plano é "governança, transparência, e combate à corrupção". Propõe, ainda, "elevar Goiás a patamares internacionais de boas práticas de transparência, compliance e combate à corrupção", bem como "melhorar a qualidade do gasto público no âmbito do governo do Estado." Em cada capítulo, aborda temas como saúde, educação, segurança pública, desenvolvimento econômico e agricultura, sempre fazendo um abalanço de realizações e apresentando novas metas.
Plano de Governo
 
 
Vinícius Paixão (PCO)
O plano de governo do candidato Vinícius Paixão tem em sua introdução a afirmação de que "as eleições são uma tribuna de propaganda das reivindicações fundamentais da população explorada, principalmente o socialismo e o governo operário." Diz ainda que "para o PCO as eleições são um terreno secundário da luta da classe operária e dos explorados, que só podem conquistar seus objetivos revolucionários por meio da sua organização e mobilização revolucionária."
 
Wolmir Amado (PT)
O candidato Wolmir Amado registrou no TSE documento com o eixo estratégico do plano de governo para Goiás. O plano é dividido em 6 partes. O objetivo principal é construir uma gestão integrada, descentralizada e participativa. O plano propõe "a formulação de políticas públicas com base nos pilares de transdisciplinariedade e intersetorialidade, no pacto federativo previsto na Constituição Federal de 1988. Isso exige que o Estado induza um desenvolvimento econômico social e ambientalmente sustentável." Os eixos temáticos são: ações emergenciais (fome zero, desmatamento zero e despejo zero); desenvolvimento econômico; desenvolvimento sustentável; desenvolvimento de políticas sociais e garantia de direitos; desenvolvimento de políticas de proteção e garantias de direitos fundamentais; gestão pública democrática.
Plano de Governo
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://enquantoissoemgoias.com/.