Enquantoissoemgoias.com Publicidade 1200x90
24/02/2023 às 18h26min - Atualizada em 24/02/2023 às 18h26min

Jovem trans espanhola se arrepende de mudança de sexo e denuncia sistema de saúde: “Arruinaram minha vida”

A jovem disse que foi orientada pela psicóloga a fazer uma cirurgia aos 15 anos, para retirar útero e seios,

https://gazetabrasil.com.br/

Enquantoissoemgoias.com Publicidade 790x90

Susana Domíguez é uma menina transgênero que, em 2014, quando tinha 15 anos, recebeu aprovação de seu psicólogo para iniciar um tratamento de mudança de sexo. Posteriormente, o sistema público de saúde espanhol permitiu que ela removesse o útero.

Aos 21 anos, em 2020, ela visitou novamente seu psicólogo para convencê-lo de que os dois estavam errados. Domínguez garantiu agora que não era um menino que nascera em corpo de mulher, como o médico havia sugerido.

Para Susana, ou que viveu até aos 15 anos foi mais como “uma depressão e um transtorno esquizóide”, que quiseram curar com hormonas e uma operação, ou que para ela foi um grande erro.

Domínguez disse à psicóloga que sempre foi mulher, mais com distúrbios graves do que com qualquer coisa que tivesse a ver com a transexualidade, segundo o jornal espanhol El Mundo.

“Lá a psicóloga me disse: ‘Vamos começar, vamos começar.’ Ele parecia estar incomodado com os meus problemas…! Eu era um adolescente problemático e ele era meu terapeuta”, disse Domínguez.

A menina afirma estar vivendo no inferno agora porque, como resultado dessa situação, seus seios e útero são removidos, além de receber uma grande quantidade de hormônios masculinos para modificar irreversivelmente seu corpo.

Antes da transição, Susana havia tentado várias vezes se matar por não conseguir encontrar uma solução para os problemas emocionais que vinha vivenciando desde a adolescência. Ela e sua mãe não desistirão de sua busca por ajuda.

Após as investigações, começaram a pensar que “vestígios de um transtorno do espectro do autismo” poderiam ter sido causados ​​pelo desconforto de Susana, algo que a psicóloga nunca percebeu, segundo o El Mundo.

Acontece que uma psicóloga, que trabalha no Serviço de Saúde da Galiza, e uma psiquiatra sanitarista, que também foi consultada para iniciar o processo de mudança de sexo, vão estudar o património genético de Susana.

Pelo contrário, o psicólogo, em vez de passar por uma avaliação científica, limitou-se a trabalhar apenas com base no não autodiagnóstico de Susana, influenciado por fóruns na Internet, notícias ou El Mundo.

“Você chora e me manipula. Você me manipulou como um choro, mas eu já sabia que uma mudança de sexo não faria você se sentir melhor”, disse a psicóloga a Susana, a segunda adianto a ser estuprada pela comunicação social espanhola.

“Eu não sou isso. Eu também fui ao primeiro psiquiatra, que me encaminhou para um psicólogo, dando como certo que eu era trans. Agora, alguns anos depois, ela só disse: ‘Ah, mas se você tiver um muita certeza, você tem muita certeza’ “Tenho 15 anos. Como eles me deixaram fazer isso? Como poderia ter certeza do que queria?” disse Susana.

“Agora o que fazemos? Como você resolve isso?”, ele me pergunta.

Suana nunca teve aparelho reprodutor feminino ou masculino e, após anos submergindo-se no consumo de hormônios masculinos, deve iniciar um novo processo de captação de hormônios femininos para tentar reverter, ao menos parcialmente, o efeito alcançado.

Susana e a família vão apresentar queixa ao Serviço de Saúde Galego com base num diagnóstico sugerido pelos médicos que vão aconselhar a menina sobre a mudança de sexo e falta de apoio durante a transição.

Este seria o primeiro caso de arrependimento por mudança de gênero registrado na Espanha. Os familiares buscam processar o Estado pela deficiência de seu sistema de saúde em orientar e proteger adequadamente os cidadãos.

Enquantoissoemgoias.com Publicidade 790x90


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://enquantoissoemgoias.com/.