fbpx

Emater e Embrapa firmam parceria para pesquisas de seleção e clonagem de pequi


1
1 compartilhar, 1 ponto

Intuito é disponibilizar materiais selecionados e com alto padrão genético no mercado, beneficiando agricultores familiares, extrativistas e todos envolvidos na cadeia produtiva do fruto em Goiás. A missão da pesquisa da Emater é fazer com que seus resultados levem ao pequeno produtor alternativas para sua sobrevivência

Representantes da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) unidade Cerrados firmaram, nesta sexta-feira (13), a intenção de formalização de um termo de cooperação técnica para o desenvolvimento de pesquisas com variedades de pequi. O intuito é disponibilizar materiais selecionados e com alto padrão genético no mercado, beneficiando agricultores familiares, extrativistas e todos os envolvidos na cadeia produtiva do fruto em Goiás.

Durante a reunião, foram discutidos os avanços já conquistados até aqui, as estratégias de estruturação dos resultados e o cronograma de execução do plano de trabalho. A pesquisa, coordenada pela pesquisadora da Emater, Elainy Botelho, compreende a seleção e clonagem de plantas que apresentam maior qualidade produtiva, inclusive a variedade sem espinhos. Todas elas estão reunidas na Estação Experimental Nativas do Cerrado, em Goiânia, onde fica o maior banco de germoplasma de pequi do mundo.

A equipe da Embrapa visitou a unidade e também esteve na Estação Experimental de Anápolis, local em que foi instalado, em 2016, o segundo banco de germoplasma de pequi da Emater. O espaço abriga 55 clones de pequi oriundos de plantas do banco de germoplasma em Goiânia e 200 pés-francos, ou seja, árvores provenientes de mudas obtidas a partir do enraizamento direto da estaca produtora, funcionando como um laboratório inédito de validação de cultivares de pequi.

Fomento à parceria

Para o presidente da Emater, Pedro Leonardo Rezende, o acordo que será formalizado é um marco nas mais de três décadas de parceria entre as duas instituições, que tanto fomentam a pesquisa pública no Estado de Goiás e no Brasil. “Temos uma possibilidade muito maior de vencer os entraves juntos. A pesquisa pública tem padecido no nosso País, e se temos condições de juntar esforços para fortalecê-la, isso é fantástico”, diz. Além disso, a liderança atenta para a determinação do governador Ronaldo Caiado de impulsionar as cadeias produtivas da agricultura familiar, sendo a do pequi uma cadeia “extremamente promissora”.

O diretor de Pesquisa Agropecuária da instituição, João Asmar Júnior, acrescenta que a cooperação com a Embrapa é fundamental para a produção de pequi com qualidade e sanidade, oferecendo uma oportunidade viável ao agricultor familiar. “A missão da pesquisa da Emater é fazer com que seus resultados levem ao pequeno produtor alternativas para sua sobrevivência. O pequi é uma dessas opções para gerar renda e sustentabilidade entre as famílias rurais”, afirma.

Parceira de décadas da Emater no desenvolvimento da pesquisa agropecuária pública, a Embrapa anda ao lado da agência, tendo participação efetiva em todas as atividades, oferecendo capital intelectual para a execução das ações de propagação da fruteira, de acordo com o pesquisador da entidade, Ailton Pereira, que já trabalha com a seleção e clonagem da espécie ao lado de Elainy Botelho. Segundo os cientistas, os impactos esperados alcançam a esfera ambiental, com a recuperação de áreas degradadas, recomposição de reserva legal e coleta e conservação de germoplasma; socioeconômico, com ampliação da base alimentar da população e geração de emprego e renda; e científico, com aumento do conhecimento a respeito das espécies frutíferas do Cerrado.

“Aqui tem uma história muito bonita, de décadas de trabalho. Você vê culminando em estarmos muito próximos de entregar para a sociedade o produto desses anos todos de pesquisa. Isso emociona a gente”, declara o chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Cerrados, Fábio Gelape Faleiro.

“Vamos fazer uma força-tarefa para chegar ao objetivo que é ofertar qualidade ao produtor rural. Nossas dificuldades já foram mapeadas e agora vamos somar forças para superá-las. Hoje estamos fazendo um laço indissociável, é um momento muito especial”, inclui o chefe geral da unidade, Sebastião Pedro da Silva. O próximo passo é aprovar junto à instituição o plano de trabalho apresentado durante a reunião, que já foi validado pelos dirigentes da Emater.

Estiveram no encontro o presidente da Emater, Pedro Leonardo Rezende, o diretor de Pesquisa Agropecuária, João Asmar, a diretora de Gestão Integrada, Maria José Del Peloso, a gerente de Pesquisa Agropecuária, Cláudia Pimenta, a pesquisadora, Elainy Botelho, o gerente da Estação Experimental Nativas do Cerrado, Marcos Alves, o gerente da Estação Experimental de Anápolis, Marcos Coelho, e o pesquisador da mesma estação, Sidney Cunha. Pela Embrapa, o chefe geral, Sebastião Pedro da Silva, o chefe de Transferência de Tecnologia, Fábio Faleiro, e o pesquisador, Ailton Pereira.

Compromisso com o agricultor familiar

Segundo a cientista Elainy Botelho, coordenadora do banco de germoplasma de pequi em Goiânia, a procura por plantas originárias do Cerrado tem crescido nos últimos anos em decorrência das exigências legais para readequação ambiental das propriedades e da possibilidade de complementação de renda. O empenho da Emater é atender essa demanda, com produção e disponibilização de mudas que obedeçam a critérios específicos quanto à produtividade, resistência a pragas e doenças, espessura e coloração da polpa.

Essas são características primordiais para agricultores familiares e coletadores que dependem do fruto para a sobrevivência. A avaliação é um dos pilares do trabalho desenvolvido nas unidades de armazenamento de germoplasma, que também viabilizam outras análises que têm sido desempenhadas pela Emater, como a investigação da quebra de dormência de sementes de pequi, posição de semeadura da espécie e adubação adequada para mudas em tubetes e em sacos plásticos.

Goiás hoje encontra-se na terceira colocação entre os Estados com maior volume de produção de pequi do País. A Radiografia do Agro, publicação da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), aponta que a safra de 2019 foi de mais de duas mil toneladas, com valor da produção na extração vegetal estimada em R$ 3 milhões. O Estado conta com 433 estabelecimentos agropecuários produtores espalhados em 56 municípios e um mercado consumidor que adquiriu mais de seis mil toneladas de pequi naquele período.

Fonte: Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária


Comments

comentarios

0 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share via
Escolha um formato
Questionário de personalidade
Série de perguntas que pretendem revelar algo sobre a personalidade
Quiz de curiosidades
Série de perguntas com respostas certas e erradas que visa verificar o conhecimento
Enquete
Votar para tomar decisões ou determinar opiniões
História
Texto formatado com incorporações e visuais
Lista
The Classic Internet Listicles
Contagem regressiva
As clássicas contagens regressivas da Internet
Lista aberta
Envie seu próprio item e vote para o melhor envio
Lista Classificada
Votar positivamente ou negativamente para decidir o melhor item da lista
Meme
Faça upload de suas próprias imagens para fazer memes personalizados
Vídeo
Incorporação no Youtube, Vimeo ou Vine
Áudio
Incorporação de Soundcloud ou Mixcloud
Imagem
Foto ou GIF
Gif
Formato GIF