19/02/2016 às 08h00min - Atualizada em 19/02/2016 às 08h03min

Cinco aprovações no currículo

Estudante da rede pública de Jaraguá, após frequentar cursinho, fará graduação na USP
estudante jaragua

estudante jaragua

Entrar para uma boa faculdade de Medicina é uma meta que exige muita dedicação para ser alcançada, ainda mais se o candidato à vaga fez todo o ensino fundamental e médio na escola pública. Mas após a aprovação em cinco universidades, incluindo as mais conceituadas do País, a goiana Gabriela de Lima e Silva, de 19 anos, tem propriedade para dizer: "É difícil, mas não é impossível".

A jovem de Jaraguá, cidade a 143 quilômetros de Goiânia, passou em três vestibulares para Medicina: Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), responsável pelo processo seletivo da Universidade de São Paulo (USP); Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); e Universidade Estadual Paulista (Unesp). Com 760 pontos alcançados no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), também conseguiu nota para ingressar na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), primeira e segunda opções apontadas por ela na inscrição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Como a seleção via Sisu ocorreu primeiro, Gabriela chegou a fazer matrícula na UFU, pois a cidade de Uberlândia fica mais de perto de Jaraguá do que a capital mineira, Belo Horizonte, onde está o curso da UFMG. Mas logo depois veio a aprovação na Universidade de São Paulo.

“Era o meu maior sonho. Minhas matérias preferidas no ensino médio sempre foram biologia e química, mas decidi pelo curso depois que vi uma reportagem na televisão sobre os 100 anos da Faculdade de Medicina da USP", conta.

Na sexta-feira, quando a estudante já havia se matriculado na USP, a Unicamp divulgou a lista de aprovados e lá estava o nome de Gabriela novamente. A jovem confessa que ficou balançada, mas se manteve firme no propósito inicial e, acompanhada do pai, buscava um lugar para morar em Ribeirão Preto (SP).

As disputas foram duras, tendo o vestibular da Unesp como o mais concorrido, com 243 candidatos por vaga. A concorrência da Unicamp e da USP foram 220.1 e 71.93 candidatos por vaga, respectivamente. Na UFU, a jovem ficou em quinto lugar. Todas as aprovações ocorreram por meio do sistema de cotas para escola pública.

Até chegar a esse resultado, a estudante passou por muita luta e algumas frustrações. Gabriela terminou o ensino médio em 2013. Prestou vestibular na Universidade Federal de Goiás (UFG) e não conseguiu aprovação. Os 680 pontos obtidos no primeiro Enem não eram suficientes para o curso pretendido e ela confessa que pensou em desistir.

“Estudei muito no ensino médio e não consegui passar. Pensei que talvez Medicina não fosse para mim, afinal, minha família não tinha condições de pagar um curso preparatório", relata.

Nas horas de angústia, o apoio da mãe, Vanderlene Pereira de Lima, foi fundamental. “Ela foi a grande responsável porque ela sonhou comigo, me ajudou a continuar lutando e, mesmo com as dificuldades, dizia que se esse era o meu sonho eu não devia desistir. Ela sempre acreditou que era possível", reconhece a filha.

Ajuda

Depois de seis meses estudando sozinha, um ex-professor de biologia da jovem, Henrique Braga, a ajudou a conseguir uma bolsa integral no Núcleo Centro de Ensino, um cursinho particular de Anápolis. No segundo semestre de 2014, a jovem se mudou para a casa de primos e agarrou a oportunidade. Durante um ano e meio, viveu praticamente para estudar.

"Foi um período difícil. Estudava de manhã, de tarde e de noite. Tinha aulas de segunda a sábado, e quinzenalmente aos domingos. Nos raros períodos vagos, fazia listas de exercícios, provas de vestibulares anteriores e praticava redação", relata.

Gabriela diz que “não é muito de festa" e as raras confraternizações que participou no último ano foi com os colegas do cursinho. Nada de namoro. A jovem garante nunca ter tido um namorado, não apenas pela dedicação aos estudos, ma porque “ainda não apareceu a pessoa certa".

Ela afirma que sempre foi uma aluna dedicada e focada, mas ressalta: “Cheguei aqui com muita ajuda. Teve o meu esforço, mas sem as pessoas que me ajudaram eu não sei se conseguiria."

Fonte: O Popular / Gabriela Lima
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://enquantoissoemgoias.com/.