30/12/2022 às 23h33min - Atualizada em 31/12/2022 às 00h00min

Devastação de florestas e tragédias climáticas: veja o que marcou o meio ambiente em 2022

Foi o maior desmatamento da Amazônia em 15 anos, e várias cidades brasileiras sofreram com as consequências das chuvas fortes.

G1 Brasil
https://g1.globo.com/retrospectiva/2022/retrospectiva-na-globo/noticia/2022/12/30/devastacao-de-florestas-e-tragedias-climaticas-veja-o-que-marcou-o-meio-ambiente-em-2022.ghtml

Foi o maior desmatamento da Amazônia em 15 anos, e várias cidades brasileiras sofreram com as consequências das chuvas fortes. Devastação de florestas e tragédias climáticas: veja o que marcou o meio ambiente em 2022
Extremos na política, extremos no planeta: enfrentamos ondas de frio e calor, tempestades intensas e devastação de florestas em 2022, um ano de ataques ao meio ambiente e a seus defensores.
A devastação da Mata Atlântica aumentou 66% em um ano; o Inpe registrou 3,2 mil focos de queimada no Cerrado só no mês de maio; a Amazônia perdeu, nos primeiros cinco meses do ano, uma área de mais de 3 mil km² de mata nativa - a maior devastação em 15 anos.

Relembre as principais notícias em relação ao clima e meio ambiente de 2022:
Petrópolis (RJ) arrasada pela fúria de tempestade
Em fevereiro, a cidade na Região Serrana do Rio de Janeiro viveu uma verdadeira tragédia. Foi a maior tempestade da história do local - o volume foi quase o dobro do esperado para o mês inteiro -, com um balanço de 233 mortos e milhares de desabrigados.
Bombeiros retiram o corpo de uma vítima dos deslizamentos em Petrópolis (RJ)
Marcos Serra Lima/g1
Pessoas trabalham no local do deslizamento no Morro da Oficina, em Petrópolis (RJ), nesta quinta (17)
Marcos Serra Lima/g1
Vídeo mostra pessoas em ônibus arrastados em Petrópolis tentando se salvar
Chuva em Angra com volume recorde
No primeiro dia de abril, a região de Angra dos Reis e Paraty, no litoral sul do Rio de Janeiro, registrou chuvas muito acima da média em um intervalo curto de tempo, e atingiu um índice jamais registrado no país pelo Cemaden, o Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais, causando mortes e muita destruição.
Em Paraty, uma mulher foi soterrada junto com seis filhos; apenas um sobreviveu e foi levado ao hospital, mas acabou morrendo depois.
Equipes procurando desaparecidos em Paraty e Angra após temporal
JN
Furacão Ian provoca destruição histórica
Após passar por Cuba causando destruição e duas mortes, o furação Ian chegou em setembro à Flórida, nos Estados Unidos, com ainda mais força e ventos de até 250 km/h, o que o elevou à categoria 4.
A passagem do furacão deixou 21 mortos. Em direção a Carolina do Sul perdeu força e virou uma tormenta tropical.
Casas destruídas pelo furacão Ian em Fort Myers, na Flórida
Wilfredo Lee/AP
'Rua virou piscina': o medo de brasileiros durante a passagem do furacão Ian pela Flórida
GETTY IMAGES
Tempestade de neve na região nordeste dos EUA
Em janeiro, os Estados Unidos já haviam enfrentado uma situação desafiadora. Uma tempestade de neve atingiu o nordeste do país e pelo menos dez estados sofreram com os impactos.
Eles foram atingidos por uma combinação que pode ser mortal: muita neve, temperaturas negativas e ventos que em alguns lugares passaram de 100 km/h. É o que os meteorologistas chamam de “ciclone bomba”.
Tempestade de neve atinge Nordeste dos EUA e deixa milhares sem luz
Terremoto na Ilha de Java, na Indonésia
Em novembro, o terremoto que atingiu a Ilha de Java, na Indonésia, deixou cerca de 300 mortos e milhares de feridos, além de mais de 7 mil desalojados que tiveram de deixar suas casas por causa do tremor, que foi sentido também em Jacarta.
Terremoto na Indonésia mata mais de 160 e deixa centenas de feridos
Jornal Nacional
Volume de água nas Cataratas do Iguaçu passa dos 16 milhões de litros por segundo
O fluxo de água das Cataratas, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, registrou sua segunda maior vazão de água desde 1997, quando a Companhia Paranaense de Energia começou as medições, em outubro. A força da correnteza ficou tão forte que a passarela próxima às quedas teve que ser bloqueada.
Câmeras registraram aumento da vazão e segundo maior fluxo de água das Cataratas do Iguaçu
Mudança de cor nas águas do rio Tapajós, em Alter do Chão
Em janeiro, as águas que banhavam as praias de areia clara de Alter do Chão, apelidado de Caribe Amazônico, ficaram turvas e barrentas. Uma investigação da Polícia Federal concluiu que a mudança foi provocada pelo garimpo ilegal e pelo desmatamento na região.
Fotografia aérea feita em janeiro mostra águas barrentas do Tapajós em contato com o Lago Verde, em Alter do Chão, Santarém, no Pará
Getty Images via BBC
Seca no Rio Grande do Sul
Em janeiro, mais de 120 municípios do Rio Grande do Sul decretaram emergência por causa da seca.
Seca arrasou plantação de soja em Espumoso, no Rio Grande do Sul, em janeiro deste ano
Reuters
Tempestade subtropical causou estragos em Santa Catarina
Em maio, a tempestade subtropical Yakecan atingiu o litoral catarinense com ventos fortes de até 157 km/h, que causaram transtornos como o cancelamento de voos e falta de luz para milhares de moradores, além de espalhar uma onda de frio pelo país.
VÍDEO: ventania tomba caminhão com motorista dentro, em SC; velocidade do vento chegou a 157 km/h
Ciclone ou tempestade? O que é o Yakecan?
Espuma no mar e ventos fortes: os estragos do ciclone Yakecan
Erupção de vulcão submarino provocou destruição em Tonga
No dia 15 de janeiro, a erupção de um vulcão submarino provocou um tsunami no Pacífico e deixou mortos. A força das ondas gerou danos a aldeias, edifícios e interrompeu a comunicação com Tonga.
Como é um vulcão submarino e por que foi tão violenta a erupção que gerou tsunami no Pacífico
Imagens de satélite mostram devastação após erupção vulcânica e tsunami em Tonga
Inundações e mortes no interior de São Paulo
Em janeiro, fortes chuvas deixaram mortos em Franco da Rocha e outras cidades da Grande São Paulo. Deslizamentos de terra, transbordamento de rios e alagamentos deixaram vários moradores desalojados.
Veja antes e depois das chuvas em Franco da Rocha, na Grande SP
Chuvas causam destruição e mortes em SP; FOTOS
Franco da Rocha
Google Earth e Orlando Junior/Futura Press/Estadão Conteúdo
Cidades de MG decretaram situação de emergência por causa das chuvas
Minas Gerais chegou a ter 341 municípios em situação de emergência por causa das chuvas que caíram no começo de janeiro. Em apenas 24 horas, 10 mil pessoas tiveram que deixar suas casas e 24 pessoas morreram apenas nos primeiros 13 dias do ano.
Foto mostra inundação na cidade de Juatuba (MG), na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no dia 10 de janeiro, em meio às fortes chuvas que atingem a região.
Douglas Magno / AFP
Cinco pessoas morreram após carro ser atingido por deslizamento de terra na região do Retiro do Chalé, em Brumadinho
Corpo de Bombeiros/Divulgação
Maior cheia dos últimos 15 anos do Rio Tocantins
Cidades do Tocantins, do Maranhão e do Pará ficaram debaixo d’água em janeiro com a cheia de um dos maiores rios brasileiros, o Rio Tocantins, deixando muitos desabrigados e tirando milhares de suas casas.
Na região de Marabá no sudeste do Pará, o rio Tocantins registra maior cheia para janeiro em 20 anos

Fonte: https://g1.globo.com/retrospectiva/2022/retrospectiva-na-globo/noticia/2022/12/30/devastacao-de-florestas-e-tragedias-climaticas-veja-o-que-marcou-o-meio-ambiente-em-2022.ghtml

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://enquantoissoemgoias.com/.
Enquantoissoemgoias.com Publicidade 1200x90